26.2.18

Festival - Música Electrónica
LISBOA DANCE FESTIVAL 
A maior celebração da música electrónica  
Sexta, 09 e sábado, 10 de Março, das 19h00 às 04h00, no Hub Criativo Beato
(Live Experiences)  


Novo formato de evento com uma programação virada para as tendências mundiais da música electrónica, o Lisboa Dance Festival apresenta concertos e DJ sets. Mais do que um evento sobre música urbana, celebra com uma visão 360º toda a música electrónica.
A terceira edição do Lisboa Dance Festival programa ainda os espaços Talks, de debates, e Art, com obras de artistas. O evento espalha-se pelo novo espaço do Hub Criativo Beato, na zona ribeirinha oriental de Lisboa.
Bilhetes à venda nas lojas Fnac por 45 euros (passe 2 dias) e 30 euros (diário). 

SELECÇÃO 
Sexta, 09 de Março 
23h45 às 00h45 Celeiros - Romare 
Músico, DJ e produtor house/disco e jazz/funk inglês, Archie Fairhurst, sob o nome Romare, editou o álbum ‘Projections’ (2015 Ninja Tune) e apresenta o novo álbum ‘Love Songs: Part Two’ (2016 Ninja) em formato live com banda completa.
A MAIOR CELEBRAÇÃO DA MÚSICA ELECTRÓNICA
Lisboa Dance Festival 



ROMARE FULL LIVE BAND
Gretchen Berlin 2017 

24.2.18

Festival - Cinema de Animação
MONSTRA 
18.º Festival de Animação de Lisboa
De 08 a 18 de Março no Cinema São Jorge, Cinema City Alvalade e Cinema Ideal


A Monstra - Festival de Animação de Lisboa apresenta o que de melhor se realiza no mundo do cinema de animação. Esta 18.ª edição decorre sob o signo da liberdade e criatividade.
Destaque para as secções País Convidado, dedicada à obra dos grandes mestres da animação da Estónia, Retrospectiva de Filmes Japoneses e para a Competição Longas, com as melhores e mais recentes longas-metragens de animação produzidas em todo o mundo, que apresenta sete filmes a concurso oriundos de sete países. O festival tem direcção artística de Fernando Galrito.
Bilhetes à venda no Cinema São Jorge por 4 euros. 

SELECÇÃO 
Domingo, 18 de Março 
20h00 Cinema São Jorge - Premiados Longas
À SOLTA EM LISBOA
Monstra

22.2.18

Filme - Estreia a 08 de Março no Medeia Monumental
‘LADY BIRD’ 
de Greta Gerwig 
com Saoirse Ronan e Laurie Metcalfe
(2017 Scott Rudin Productions) 


Sacramento, Califórnia, em 2002. Apesar de Christine ‘Lady Bird’ McPherson lutar contra isso, é exactamente igual à apaixonada, opinativa e teimosa mãe, que trabalha incansavelmente como enfermeira para sustentar a sua família, depois do pai ter perdido o emprego.
‘Lady Bird’ é uma comédia dramática, estreia na realização, da norte-americana Greta Gerwig, de 35 anos.
“You might think you’ve seen this all before. You probably have, but never quite like this. What Grega Gerwig has done - and it’s by no means a small accomplishment - is to infuse one of the most convention-bound, rose-colored genres in American cinema with freshness and surprise.” 
The New York Times
“'Lady Bird' doesn’t exist as a twee indie movie construct, it feels thrillingly real and deeply personal, every single beat ringing true.” 
The Guardian
‘LADY BIRD’
Greta Gerwig



20.2.18

Teatro - Encenação
‘O TEATRO DA AMANTE INGLESA’ 
de Marguerite Duras 
De 07 de Março a 14 de Abril no Teatro da Politécnica
(Artistas Unidos) 


Em conversa amena, o polícia Pedro Lannes desvenda um crime cometido em Viorne, entroncamento ferroviário de França. A criminosa, Clara Lannes, colocara em carruagens de diversos comboios os restos mortais da sua vítima. Um escritor decide escrever um livro sobre o crime, recolhendo depoimentos até descobrir a realidade insana que acaba por justificar o crime.
‘O Teatro da Amante Inglesa’ é uma tragédia da escritora francesa Marguerite Duras (1914-1996). Encenação de Jorge Silva Melo e representação de Isabel Muñoz Cardoso, João Meireles e Pedro Carraca, numa produção da Artistas Unidos.
"’Quem é Esta Mulher?’ chamou-se a primeira versão feita em Portugal deste texto seco, duro e frio.” 
Artistas Unidos
Bilhetes por 6 euros para terças às 19h00 (Dia do Espectador). Exposição de pintura ‘Desenhos com Cor’ de Daniel Fernandes.
‘O TEATRO DA AMANTE INGLESA’
Artistas Unidos 

16.2.18

Filme - Estreia a 01 de Março no Midas Cinema Ideal
‘RAMIRO’ 
de Manuel Mozos
com António Mortágua e Madalena Almeida
(2017 O Som e a Fúria) 


Ramiro é alfarrabista em Lisboa e poeta em perpétuo bloqueio criativo. Vive, algo frustrado e conformado, entre a sua loja e a tasca, acompanhado pelo cão, pelos fieis companheiros de copos e pelas vizinhas: uma adolescente grávida e a avó a recuperar de um AVC. Eventos dignos da telenovela invadem o seu pacato quotidiano.
‘Ramiro’ é uma comédia dramática do realizador português Manuel Mozos, de 59 anos, autor de ‘Xavier’ (1992), ‘4 Copas’ (2008) e ‘Ruínas’ (2009) e técnico de cópias em película no ANIM Cinemateca Portuguesa.
“'Ramiro' é delicado, talvez mesmo discreto, atento, presente, um pouco à imagem do seu autor, Manuel Mozos, um dos grandes nomes da sombra e na sombra do cinema português.” 
Público
‘RAMIRO’
Manuel Mozos

14.2.18

Exposição - Arte Contemporânea
‘NO PLACE LIKE HOME’ 
Curadoria de Adina Kamien-Kazhdan
De 28 de Fevereiro a 03 de Junho no Museu Colecção Berardo


A exposição ‘No Place Like Home’ examina a forma como os artistas ao longo dos últimos cem anos, se apropriaram de objectos do quotidiano nas suas obras, transformando e subvertendo as suas funções e significados domésticos. A exposição surge no âmbito da comemoração do centenário de ‘Fontaine’ (1917), controverso readymade do dadaísta francês Marcel Duchamp.
‘No Place Like Home’ inclui trabalhos de diferentes artistas, de várias gerações e diferentes movimentos, com destaque para Marcel Duchamp, Man Ray, Claes Oldenburg, Andy Warhol, Louise Bourgeois, Mona Hatoum, Yayoi Kusama e Alina Szapocznikow. Os objectos artísticos são expostos nas salas do Museu Colecção Berardo, transformadas num layout de 'quase-casa'.
Bilhete de entrada por 5 euros (gratuito ao sábado). 
'NO PLACE LIKE HOME'
The Israel Museum, Jerusalem 


10.2.18

Música - Álbum
‘HUMDRUM STAR’ 
GoGo Penguin 
(2018 Blue Note)


Fundado em 2012, GoGo Penguin é o trio jazz/electronic de Manchester formado por pianista, baixo e baterista. O trio começou por editar os álbuns ‘Fanfares’ (2012 Gondwana Records), ‘v2.0’ (2014 Gondwana Records) e ‘Man Made Object’ (2016 Blue Note), onde revelou uma sonoridade electrónica e acústica, apelativamente atmosférica e improvisada que remete para a modern classical, contemporary jazz e pista de dança.
Os GoGo Penguin editam agora o novo álbum ‘Humdrum Star’, onde recorrem ao piano minimalista sobre electronic break-beats e progressive house para criar um fluxo ondulado de temas com texturas e melodias atraentes e inventivas.
“An exciting, exhilarating and original blend that freshens up its sources and takes them somewhere new. 2018 has its first classic-highly recommended.” 
All About Jazz
“Hypnotic stuff.” 
The Guardian
‘BARDO’
GoGo Penguin 



6.2.18

DJ Set
ÂME 
Kristian Beyer 
Sábado, 17 de Fevereiro no Lux


A dupla de produtores deep house alemã Frank Wiedemann e Kristian Beyer estreou-se em 2003 como Âme e co-fundou a editora Innervisions em 2005. Já editaram os álbuns ‘Âme’ (2004 Sonar Kollecktiv) e ‘Live’ (2012 Innervisions), para além de vários mix álbums.
Kristian Beyer, a metade dos Âme que se dedica ao DJing, é um divulgador e influenciador do house com instrumentação e composição orquestral, embora desconstruído em sintetizadores vintage e vocalizações espectrais. No seu regresso ao club de Santa Apolónia, depois da actuação no Brunch Electronik Lisboa 2017, Âme (Kristian Beyer) promete grandes viagens melódicas e hipnóticas a partir de temas clássicos deep house e minimal techno.
Bilhetes à venda na bilheteira do Lux a partir das 23h00 do dia do evento 
“A maneira como Âme (Kristian Beyer) funde diferentes quadrantes da electrónica, sem olhar a divisões, atento ao detalhe e de técnica impecável e criativa, é admirável.” 
Lux
BOILER ROOM 2016
Âme (Kristian Beyer) 

4.2.18

Filme - Estreia a 15 de Fevereiro no Medeia Monumental
‘THE FLORIDA PROJECT’ 
de Sean Baker 
com Brooklynn Prince e Bria Vinaite
(2017 Cre Film) 


Orlando, Florida. A capital mundial das estâncias de férias e parques temáticos. Nos arredores do Walt Disney World Resort a magia é bem diferente. A agitada Moonee, de seis anos, diverte-se com os amigos e vive com a mãe num hostel, onde contam com a protecção do gerente para lidar com tempos difíceis.
‘The Florida Project’ é um drama do realizador norte-americano Sean Baker, de 47 anos, autor de ‘Starlet’ (2012) e ‘Tangerine’ (2015).
Sight & Sound - Best Films of 2017
“While minimal on plot, the film digs in its nails on the day-to-day struggles of poor people in America.” 
The Guardian
“This movie accomplishes something almost miraculous - two things, actually. It casts a spell and tells the truth.” 
The New York Times
“Freak show misérabiliste dépourvu du moindre regard critique et grossièrement écrit.” 
Cahiers du Cinéma
“En adoptant ainsi le point de vue de ses jeunes personnages, Sean Baker s'interdit d'en juger aucun, et c'est là la beauté du film.”
Le Monde
‘THE FLORIDA PROJECT’
 Sean Baker 



30.1.18

Festival - Prémios de Cinema
SUNDANCE FILM FESTIVAL 2018 
Grand Jury Prizes     
(Sundance Institute) 


O júri oficial do Sundance Film Festival anuncia os filmes em competição distinguidos pelos Grand Jury Prizes. Na edição deste ano foram apresentadas seis dezenas longas-metragens a concurso nas secções U.S. Competition e World Cinema Competition. O Sundance Film Festival foi criado em 1978 e incorporado na programação do Sundance Institute, fundado pelo realizador e actor norte-americano Robert Redford.
O maior festival norte-americano de filmes independentes realiza-se em Park City, no Utah, e compreende secções competitivas para filmes dramáticos e documentários, para além de mostras temáticas, concertos, performances, painéis de discussão e festas.

GRAND JURY PRIZE - U.S. DRAMATIC     
‘The Miseducation of Cameron Post’ de Desiree Akhavan 
GRAND JURY PRIZE - U.S. DOCUMENTARY     
‘Kailash’ de Derek Doneen 
GRAND JURY PRIZE - WORLD CINEMA DRAMATIC     
‘Kelebekler - Butterflies’ (Turquia) de Tolga Karaçelik 
GRAND JURY PRIZE - WORLD CINEMA DOCUMENTARY     
‘Of Fathers and Sons’ (Síria) de Talal Derki
‘THE MISEDUCATION OF CAMERON POST’
Desiree Akhavan 
Sundance - Grand Jury Prize U.S. Dramatic 2018 

28.1.18

Banda Desenhada - Prémios
ANGOULÊME 2018
Festival International de la Bande Dessinée 
Fauve d'Or - Prix du Meilleur Album para ‘La Saga de Grimr’

O álbum de banda desenhada ‘La Saga de Grimr’, do autor francês Jérémie Moreau, acaba de ser distinguido no Festival d'Angoulême com o prémio Fauve d'Or, para melhor álbum editado em França em 2017, entre as 45 obras a concurso. A novela gráfica épica conta a história do jovem órfão Grimr, que na Islândia do século XVIII é confrontado com a miséria causada por uma sucessão de desastres naturais.
Criado em 1974, o Festival d'Angoulême é o mais importante festival de banda desenhada europeu e realiza-se anualmente na vila de Angoulême, no sudoeste de França. O festival reúne mais de 220 expositores, 7 000 profissionais, 2 000 autores e 800 jornalistas e programa exposições temáticas, ateliers, espectáculos, projecções, encontros, conferências e uma feira de banda desenhada.

Festival d'Angoulême - Palmarès Officiel 2018
FAUVE D'OR - PRIX DU MEILLEUR ALBUM
‘La Saga de Grimr’ Jérémie Moreau (2017 Delcourt) 
FAUVE D’ANGOULEME - PRIX SPECIAL DU JURY  
‘Les Amours Suspendues’ Marion Fayolle (2017 Magnani)
‘LA SAGA DE GRIMR’
Jérémie Moreau 
Angoulême BD - Fauve d’Or Prix du Meilleur Album 2018


26.1.18

Filme - Estreia a 08 de Fevereiro no Midas Cinema Ideal
‘VISAGES VILLAGES - OLHARES LUGARES’ 
de Agnès Varda e JR 
com Jean-Paul Beaujon e Amaury Bossy
(2017 Ciné Tamaris) 


A cineasta francesa Agnès Varda e JR, fotógrafo e muralista francês, partilham uma vida apaixonada pelas imagens e como são criadas, exibidas e partilhadas. Quando JR encontra Agnès Varda na sua casa em Paris, percebem de imediato que têm de trabalhar juntos, numa viagem calorosa através da França rural.
‘Visages Villages - Olhares Lugares’ é um documentário da realizadora francesa Agnès Varda, de 89 anos, autora de ‘Sans Toit Ni Loi - Sem Eira Nem Beira’ (1985), ‘Les Glaneurs et la Glaneuse - Os Respigadores e a Respigadora’ (2000) e ‘Les Plages d’Agnès - As Praias de Agnès’ (2008).
Sight & Sound - Best Films of 2017 
“If there’s a message in 'Visages Villages' is that one does not need to be a tortured and nasty person to make great art. She is living and still-working proof.” 
The Guardian
“'Visages Villages' reveals itself as a powerful, complex and radical work.” 
The New York Times
“'Visages Villages' nous provient d’une cinéaste en pleine forme, nous invitant à suivre le fil toujours surprenant de sa pensée, de voir par ses yeux. Ce plaisir-là ne s’épuisera jamais.” 
Cahiers du Cinéma
‘VISAGES VILLAGES’
Agnès Varda / JR 

24.1.18

Filme - Sessão na quinta, 08 de Fevereiro às 22h00 na Cinemateca Portuguesa
‘IL GATTOPARDO - O LEOPARDO’
de Luchino Visconti
com Burt Lancaster e Claudia Cardinale
(1963 Titans)


A Sicília do século XIX é dominada pelo ramo espanhol dos Bourbons. O príncipe de Salina, Don Fabrizio, percebe que o nacionalista Giuseppe Garibaldi vai alterar a estrutura de poder dominante. Quando acontece o desembarque de mil voluntários garibaldinos, Tancredi, sobrinho do príncipe, sussurra-lhe a fórmula mágica: “Se quisermos que tudo continue como está, é preciso que tudo mude”. Assim, Don Fabrizio também luta pela unificação da Itália garantindo a sua sobrevivência social e a continuidade da influência da família.
'Il Gattopardo - O Leopardo' é um drama do cineasta italiano Luchino Visconti (1906-1976), um dos realizadores mais importantes da história do cinema e expoente do movimento neo-realista, autor de ‘Morte a Venezia - Morte em Veneza' (1971).
Festival de Cannes - Palm d’Or 1963 
“Um exemplo maior do cinema histórico, pelo rigor da análise social, pelo retrato das personagens e pela descrição dos conflitos.”
Cinemateca Portuguesa
‘IL GATTOPARDO’
 Luchino Visconti 

20.1.18

Música - Prémios
WORLDWIDE AWARDS 2018 
Gilles Peterson  
Albums of the Year
(Worldwide FM)  


O radialista e promotor jazz/fusion/dance Gilles Peterson, autor do programa ‘Gilles Peterson’, na BBC Radio 6 Music, e fundador da rádio online Worldwide FM, selecciona a lista dos melhores álbuns do ano, depois dada a votar aos ouvintes. Os vencedores passam a constituir um verdadeiro guia de descobertas para quem acompanha as novas tendências. Os Worldwide Awards 2018 acabam de ser entregues no club Koko, em Londres.
Gilles Peterson é especialista em mix ecléticos de soul, hip-hop, house, afro, latin, electronica e jazz e construiu reputação mundial como divulgador musical e DJ, a par da fundação das editoras Acid Jazz, Talkin’Loud e Brownswood, da regular edição de compilações e da promoção do Worldwide Festival, em Sète (França) e Leysin (Suíça).

GILLES PETERSON’S WORLDWIDE AWARDS 2018 
Albums of the Year 
01. ‘Process’ Sampha (2017 Young Turks) 
02. ‘Wallflower’ Jordan Rakei (2017 Ninja Tune) 
03. ‘Drunk’ Thundercat (2017 Brainfeeder) 
04. ‘Damn.’ Kendrick Lamar (2017 Top Dawg Entertainment) 
05. ‘Halo’ Juana Molina (2017 Crammed Discs) 
Jazz Album of the Year 
‘Juan Pablo: The Pilosopher’ Ezra Collective (2017 Enter The Jungle Records) 
‘BLOOD ON ME’
Sampha

18.1.18

Filme - Estreia a 01 de Fevereiro no Medeia Monumental
‘THE SHAPE OF WATER - A FORMA DA ÁGUA’
de Guillermo del Toro 
com Sally Hawkins e Octavia Spencer
(2017 Bull Productions) 


Estados Unidos de 1962, com a Guerra Fria em pano de fundo. No laboratório secreto de alta segurança do governo onde trabalha, a solitária Elisa está presa numa vida de isolamento. Tudo muda quando ela e a sua colega Zelda descobrem uma experiência secreta.
‘The Shape of Water - A Forma da Água’ é um drama de fantasia do realizador mexicano Guillermo del Toro, de 53 anos, autor de ‘El Espinazo del Diablo - Nas Costas do Diabo’ (2001), ‘El Laberinto del Fauno - O Labirinto do Fauno’ (2006) e ‘El Orfanato - O Orfanato’ (2007).
Venezia 74 - Leone d’Oro 2017 
“'The Shape of Water' it’s warmer and richer. Beneath that glossy, scaly surface is a beating heart.” 
The Guardian
“'The Shape of Water' is partly a code-scrambled fairy tale, partly a genetically modified monster movie, and altogether wonderful.” 
The New York Times
‘THE SHAPE OF WATER’
Guillermo del Toro