28.6.17

Cinema - Sessões
CINEMA NA ESPLANADA 
Fantasmas ao Nosso Encontro 
Em Julho na Cinemateca Portuguesa


A temporada ‘Cinema na Esplanada’ volta em Julho e Setembro à Cinemateca Portuguesa, às sextas e sábados, às 22h30, com projecções ao ar livre em 35 mm no terraço do piso superior do edifício.
Em Julho, as sessões do ‘Cinema na Esplanada’ cruzam-se com o programa inspirado pelos ‘Fantasmas ao Nosso Encontro’, propondo grandes clássicos, filmes que pela primeira vez são mostrados na esplanada do Restaurante-Bar 39 Degraus. Serviço de cafetaria/bar com bebidas, tostas, salgados, mousses, gelados e sorvetes artesanais e bolos vegan.

SELECÇÃO 
Sábado, 08 de Julho às 22h30 
‘Ugetsu Monogatari - Contos da Lua Vaga’ (1953), de Kenji Mizoguchi, com Masayuki Mori e Machiko Kyô. 
Japão no século XVI em guerra civil. Dois aldeãos partem para a cidade. O oleiro Kenjuro apaixona-se pela princesa Wakasa e vai para a sua mansão. O agricultor Tobei abandona a sua mulher e procura tornar-se num samurai. 
Sight & Sound - The 50 Greatest Films of All Time 
Cahiers du Cinéma - 100 Films pour une Cinémathèque Idéale 
Sexta, 28 de Julho às 22h30 
‘Vertigo - A Mulher Que Viveu Duas Vezes’ (1958), de Alfred Hitchcock, com James Stewart e Kim Novak.
Scottie, um polícia de São Francisco, sofre de vertigens desde que um polícia morreu numa queda para o salvar. Gavin, amigo de Scottie, pede-lhe que siga a sua mulher Madeleine, que se crê ameaçada por uma morta. 
Sight & Sound - The 50 Greatest Films of All Time  
Cahiers du Cinéma - 100 Films pour une Cinémathèque Idéale
‘UGETSU MONOGATARI’
Kenji Mizoguchi 


‘VERTIGO’
 Alfred Hitchcock

24.6.17

Livro - Romance
‘O SIMPATIZANTE’
Viet Thanh Nguyen
(2017 Elsinore)


Abril de 1975. Saigão está mergulhada no caos. Na sua villa, um general do exército do Vietname do Sul elabora, com a ajuda do seu capitão, uma lista com os nomes daqueles que têm permissão para apanhar os últimos voos de saída do país. Começando uma nova vida em Los Angeles, o general e os seus compatriotas desconhecem que, entre eles, existe um espião, o capitão que reporta as suas actividades às instâncias superiores de comando no Vietname.
Romance de estreia, de 448 páginas, do escritor e professor universitário norte-americano de origem vietnamita Viet Thanh Nguyen, de 46 anos.
Pulitzer Prize - Fiction 2016 
PEN/Faulkner Award - Finalist Fiction 2016 
“A remarkable debut novel. Brings a distinctive perspective to the war and its aftermath. Viet Thanh Nguyen book fills a void in the literature, giving voice to the previously voiceless.” 
The New York Times
“Tremendously funny, with a demanding verbal texture, Both tender and a bit of a romp, the book reminded me of how big books can be.” 
The Guardian
VIET THANH NGUYEN DISCUSSES ‘THE SYMPATHIZER’
Book View Now 

20.6.17

Filme - Estreia a 29 de Junho no Medeia Monumental
‘MA'ROSA - MÃE ROSA’
de Brillante Mendoza 
com Jaclyn Jose e Julio Diaz
(2017 Centerstage Productions) 


Mãe Rosa tem quatro filhos. É proprietária de uma pequena loja de conveniência, num bairro pobre de Manila, onde toda a gente a conhece e estima. Para se sustentarem, ela e o marido, Nestor, revendem droga. Um dia, são detidos. Perante polícias corruptos, os filhos de Rosa farão tudo para comprar a liberdade dos pais.
Um drama do realizador filipino Brillante Mendoza, de 57 anos, autor de ‘Serbis’ (2008), ‘Lola’ (2009), ‘Kinatay’ (2009) e ‘Thy Womb’ (2012).
“’Ma'Rosa’ is made with control and clarity, a narrative purpose which is held on to despite an apparently aimless docu-style, and a clear sense of jeopardy. It doesn’t reveal much of what is going on in Rosa’s mind and heart.” 
The Guardian
“’Ma'Rosa’ n’est sans doute pas le film où Brillante Mendoza se montre le plus inspiré sur le plan esthétique. Du moins reste-t-il fidèle à une méthode qui a fait ses preuves: fait divers à la source du récit, mélange d’amateurs et de professionnels, tournage à plusieurs caméras dans les lieux reels.” 
Le Monde
‘MA'ROSA’
Brillante Mendoza 

16.6.17

Filme - Estreia a 29 de Junho no Medeia Monumental
‘PATERSON’ 
de Jim Jarmusch 
com Adam Driver e Golshifteh Farahani
(2016 K5 International) 


Paterson é motorista de autocarro na cidade de Paterson, New Jersey, cidade com que partilha o mesmo nome. Todos os dias Paterson segue a rotina de percorrer uma rota, observando a cidade. Escreve poemas num caderno, passeia Marvin, um buldogue inglês, e vai para casa ter com a sua mulher, Laura. Por outro lado, o mundo de Laura está sempre em mudança, com novos sonhos a cada dia.
Uma comédia dramática do realizador norte-americano Jim Jarmusch, de 64 anos, autor de ‘Broken Flowers - Flores Partidas’ (2005) e ‘Only Lovers Left Alive - Só os Amantes Sobrevivem’ (2013).
Sight & Sound - Best Films of 2016 
“What a lovely film ‘Paterson’ is.” 
The Guardian
“With visual precision and emotional restraint Jim Jarmusch creates that rarest portrait of the artist.” 
The New York Times
“La vraie gageure d’écriture de 'Paterson', c’est de faire advenir, dans sa propre forme, les conditions d’émergence de la poésie. Plutôt que de raconter, de montrer ou d’évoquer, le film crée sa propre assise de tranquillité et d’attention.” 
Cahiers du Cinéma
‘PATERSON’
Jim Jarmusch 



8.6.17

Filme - Estreia a 22 de Junho no Medeia Monumental
‘HYMYILEVA MIES - O DIA MAIS FELIZ NA VIDA DE OLLI MAKI’
de Juho Kuosmanen
com Oona Airola e Jarkko Lahti
(2016 Aamu Filmcompany)


Olli Maki, um boxeur finlandês, luta para sobreviver no complicado ano de 1962. Leva uma vida tranquila que é perturbada quando tem que lutar na final do Campeonato Mundial de Boxe. Rapidamente elevado a símbolo nacional, Olli Maki precisa controlar as expectativas da nação para tentar vencer a luta.
Um drama biográfico, estreia nas longas-metragens, do realizador finlandês Juho Kuosmanen, de 38 anos.
Festival de Cannes - Un Certain Régarde 2016 
European Film Awards - European Discovery/Prix FIPRESCI 2016
“It is a film of immense humanity and charm: the very best kind of date movie.” 
The Guardian
‘’Hymyileva Mies’ deepens quietly, and if he had any rookie jitters you wouldn’t know it.”
The New York Times
“Juho Kuosmanen fait valoir une espèce de force apaisante qui garantit à ses personnages une puissance inaliénable et magique.”
Cahiers du Cinéma
“Le superbe noir et blanc en pellicule 16 mm de Juho Kuosmanen s’empare avec une sensibilité et une douceur inouïes de cet héroïsme discret.”
Le Monde
‘HYMYILEVA MIES’
Juho Kuosmanen

6.6.17

DJ Set
ÂME 
Kristian Beyer 
Sexta, 16 de Junho no Lux


A dupla de produtores deep house alemã Frank Wiedemann e Kristian Beyer estreou-se em 2003 como Âme e co-fundou a editora Innervisions em 2005. Já editaram os álbuns ‘Âme’ (2004 Sonar Kollecktiv) e ‘Live’ (2012 Innervisions), para além de vários mix álbums.
Kristian Beyer, a metade dos Âme que se dedica ao DJing, é um divulgador e influenciador do house com instrumentação e composição orquestral, embora desconstruído em sintetizadores vintage e vocalizações espectrais. No seu regresso ao club de Santa Apolónia, depois da actuação no Lisboa Dance Festival 2016, Âme (Kristian Beyer) promete grandes viagens melódicas e hipnóticas a partir de temas clássicos deep house e minimal techno.
Resident Advisor - Top DJs of 2016
Bilhetes à venda na bilheteira do Lux a partir das 23h00
“A maneira como Âme (Kristian Beyer) funde diferentes quadrantes da electrónica, sem olhar a divisões, atento ao detalhe e de técnica impecável e criativa, é admirável.” 
Lux
BOILER ROOM 2016
Âme (Kristian Beyer) 

4.6.17

Filme - Estreia a 15 de Junho no Medeia Monumental
‘MICROBE ET GASOIL - MICRÓBIO E GASOLINA’ 
de Michel Gondry 
com Ange Dargent e Théophile Baquet
(2015 Partizan) 


‘Microbe’ é um rapaz tímido perdido nos seus desenhos. ‘Gasoil’ é um rapaz inteligente e inventivo, que chegou à escola a meio do ano. Os dois tornam-se grandes amigos e não querem passar as férias de Verão com as respectivas famílias. Com o motor de um cortador de relva e tábuas de madeira, constroem o seu próprio carro e partem à aventura nas estradas de França.
Uma comédia dramática de aventura do realizador francês Michel Gondry, de 54 anos, autor de ‘Eternal Sunshine of the Spotless Mind - O Despertar da Mente’ (2004).
“Time and again, 'Microbe et Gasoil' risks cuteness without going overboard. Too easily taken for granted, its accomplishment is its ability to gaze steadily with warmth but minimal sentimentality.” 
The New York Times
“En équilibre entre un réalisme délicat et une fantaisie qui ne l'est pas moins, entre une tendresse trash et une étrangeté, le film, mué en road movie buissonnier, trouve alors sa musicalité propre.” 
Le Monde
‘MICROBE ET GASOIL’
Michel Gondry 



2.6.17

DJ Set
JON HOPKINS
Human electronic 
Quarta, 14 de Junho, no Lux


O músico e produtor electronic/ambient inglês Jon Hopkins tem-se dedicado a colaborações, bandas sonoras e remixes desde 2001. A solo destaca-se o álbum ‘Insides’ (2009 Domino) onde revela as suas elegantes capacidades na composição, piano e beats electrónicos, o muito celebrado ‘Immunity’ (2013 Domino), um álbum multifacetado, poderoso e focado nas pistas de dança, e o mix álbum 'Late Night Tales: Jon Hopkins' (2015 Late Night Tales).
Jon Hopkins apresenta-se agora numa actuação em Lisboa, numa viagem do techno/ambient e indie/pop profundo e negro à euforia luminosa e sensual. A estreia no club de Santa Apolónia, depois da actuação no Musicbox Lisboa em 2014.
Bilhetes à venda na bilheteira do Lux a partir das 23h00. 
"Jon Hopkins has created electronic music which is rich with gorgeous detail and worth fully exploring." 
XLR8R
BOILER ROOM LONDON 2013
Jon Hopkins

30.5.17

Filme - Estreia a 08 de Junho no Medeia Monumental
‘SLAVA - GLÓRIA’ 
de Kristina Grozeva e Petar Valchanov 
com Stefan Denolyubov e Margita Gosheva
(2016 Abraxas Film) 


O ferroviário Tsanko Petrov encontra milhares de leves, a moeda búlgara, que decide entregar à polícia. Como recompensa, o Estado oferece-lhe um relógio de pulso, que depressa deixa de funcionar. No entretanto, Julia Staikova, do Ministério dos Transportes, perde o velho relógio de Petrov. É então que Tsanko inicia uma luta desesperada para recuperar o seu antigo relógio e a dignidade.
Um drama da dupla de realizadores búlgara Kristina Grozeva e Petar Valchanov, de 41 e 35 anos, autora de ‘Urok - A Lição’ (2014).
“The variable incongruities of ‘Slava’ give it a queasy power uncommon in contemporary cinema. It’s the feel-bad movie of the spring.” 
The New York Times
“Une charge amèrement troussée contre l’impudence des gouvernants et le cynisme des communicants, laquelle présente le mérite supplémentaire d’être d’une épouvantable drôlerie.”
Le Monde
‘SLAVA - GLORY’
Kristina Grozeva / Petar Valchanov


28.5.17

Festival - Prémios de Cinema
FESTIVAL DE CANNES 2017  
‘The Square’, de Ruben Ostlund, vence Palm d’Or
70éme Festival International du Film de Cannes  


O júri do Festival de Cannes, presidido pelo realizador espanhol Pedro Almodóvar, declara como vencedor da competição oficial o filme ‘The Square’, do realizador sueco Ruben Ostlund, atribuindo-lhe a Palm d’Or para o melhor filme. O drama satírico conta a história de Christian, curador de um museu de arte moderna que dias antes antes da abertura da sua exposição é assaltado.
O Festival de Cannes, realizado na Côte d’Azur na costa sul de França, é o mais prestigiado e famoso festival de cinema do mundo, contando anualmente com a presença de 30 mil profissionais da arte e indústria cinematográfica e 4 mil jornalistas. Na edição deste ano, a competição Sélection Officielle, admitiu a concurso 18 longas-metragens, de 11 países.
O filme ‘A Fábrica de Nada’, do realizador português Pedro Pinho, venceu o prémio da crítica FIPRESCI Prize - Quinzaine des Réalisateurs 2017 

PALMARÉS 2017  
Palm d’Or (melhor filme em competição)   
‘The Square’ (2017 Suécia), de Ruben Ostlund, com Claes Bang e Elisabeth Moss 
Grand Prix (filme mais original em competição)   
‘120 Battements par Minute’ (2017 França), de Robin Campillo, com Nahuel Biscayart e Arnaud Valois
‘THE SQUARE’
Ruben Ostlund 
Festival de Cannes - Palm d’Or 2017 

26.5.17

CD - Álbum
‘BLACK ORIGAMI’ 
Jlin 
(2017 Planet Mu) 


A produtora e DJ electronic/ghetto house norte-americana Jlin, baseada em Chicago, é uma das percursoras do footwoork/juke, um género hip house. Estreou-se com o álbum ‘Dark Energy’ (2015 Planet Mu), onde apresentou uma sonoridade dura e infecciosa, inspirada na electrónica de dança obscura.
Jlin regressa agora com o novo álbum ‘Black Origami’, de uma arquitectura musical experimental, eventiva e vanguardista. Ritmo frenético, percussão arrítmica e voz de comando num álbum que contribui de forma brilhante para consolidar um estilo industrial e coreógrafo.
“It's dark and relentless. But it's also powerful and distinctive. In the world of rhythmic electronic music, nobody else is doing it quite like this.” 
Resident Advisor
‘ENIGMA’
Jlin

24.5.17

Livros - Exposição e Venda
87ª FEIRA DO LIVRO DE LISBOA  
Há mais vida no Parque!  
De 01 a 18 de Junho no Parque Eduardo VII
(APEL)  


A Feira do Livro de Lisboa, organizada pela Associação Portuguesa de Editores e Livreiros, é a maior montra da edição em Portugal - com perto de cem mil títulos distribuídos por três centenas de pavilhões de 602 editores, chancelas, alfarrabistas e livreiros presentes. A feira tem em vista promover e difundir livros em língua portuguesa e fomentar os hábitos de leitura. Os livros publicados há menos de 18 meses são vendidos com um desconto de 20% e as novidades vendidas com um desconto máximo de 10%.
Renovada no visual e estrutura, a Feira do Livro de Lisboa conta com módulos padronizados, pavilhões diferenciados, auditório e espaços de lazer e street food alargados. O programa contempla debates, conferências, sessões de autógrafos, apresentações, lançamentos e celebrações.
Horário das 12h30 às 23h00 (segunda a quinta) e das 11h00 às 00h00 (sextas, sábados e domingos). Aplicação 'Feira do Livro de Lisboa' na Apple App Store. 

SELECÇÃO 
‘O Czar do Amor e do Tecno’ Anthony Marra (2016 Teorema)   
‘Santuário’ Andrew Michael Hurley (2016 Bertrand Editora)  
‘A Vegetariana’ Han Kang (2016 D. Quixote)  
‘Fruta Deliciosa’ James Hannaham (2016 Relógio d’Água)   
‘Breve História de Sete Assassinatos’ Marlon James (2016 Relógio d’Água)   
‘A Associação das Pequenas Bombas’ Karan Mahajan (2017 Relógio d’Água)  
‘Canção Doce’ Leila Slimani (2017 Alfaguara)  
‘Não Digam que Não Temos’ Madeleine Thien (2017 Relógio d´Água)  
‘O Vendido’ Paul Beatty (2017 Elsinore) 
HÁ MAIS VIDA NO PARQUE!
Feira do Livro de Lisboa 

22.5.17

Filme - Estreia a 01 de Junho no Medeia Monumental
‘FÉLICITÉ’ 
de Alain Gomis 
com Véro Mputu e Gaetan Claudia
(2017 Granit Films) 


Félicité é uma mulher orgulhosa e determinada que trabalha como cantora num bar em Kinshasa. A sua vida é abalada e alterada drasticamente quando o seu filho de 14 anos é vítima de um acidente de viação. Para o salvar, ela envolve-se numa arriscada corrida pelas ruas da eléctrica capital da RD Congo, com o apoio inesperado de Tabu.
Um drama musical do realizador senegalês Alain Gomis, de 45 anos, autor de ‘L’Afrance’ (2001), ‘Andalucía’ (2008) e ‘Aujourd’hui’ (2013).
Berlinale - Silberner Bar 2017
“'Félicité' trace la voie musicale, aérée, d’un réalisme qui cherche à capter ce qu’il y a de meilleur dans l’adversité plutôt que d’y tournoyer sans fin.” 
Cahiers du Cinéma
“Le quatrième long-métrage d’Alain Gomis cherche et trouve la beauté au milieu de la violence de la métropole.” 
Le Monde
‘FÉLICITÉ’
Alain Gomis 

20.5.17

Livro - Romance
‘O VENDIDO’ 
Paul Beatty 
(2017 Elsinore) 


O afro-americano Me, criado em Dickens, um gueto agrário nos arredores de Los Angeles, e educado pelo pai, um sociólogo obcecado pela questão racial, conformou-se em seguir o destino estéril da baixa classe-média. No entanto, falido e com o pai morto num tiroteio com a polícia, decide restaurar a escravatura em Dickens e a segregação na escola local.
Um romance satírico, de 320 páginas, do escritor norte-americano Paul Beatty, de 54 anos, inédito em Portugal.
Booker Prize - Fiction 2016 
The New York Times - 10 Best Books of 2015 
National Book Critics Circle Award - Fiction 2015 
“A galvanizing satire of post-racial America. Powered by a wicked wit, with characters who speak a pop-philosopher patois, this is a funny and daring novel that subverts harmful cultural assumptions.”
The Guardian
“The most caustic and the most badass pages of an American novel read in at least a decade.” 
The New York Times
‘THE SELLOUT’
Paul Beatty

18.5.17

Festival de Arte Urbana
MURO 
A greater wall 
De 25 a 28 de Maio em Marvila - Lisboa
(GAU)


Festival de arte urbana pensado para derrubar barreiras dentro da cidade e da sociedade, através da arte urbana, o Muro reúne artistas nacionais e internacionais para intervir artisticamente em bairros da cidade. O objectivo não é apenas levar a arte urbana a espaços públicos, mas também juntar artistas, moradores e visitantes num só evento realizado em áreas da cidade mais vulneráveis. O Muro promove a cidade de Lisboa no panorama de arte urbana, num evento livre que convida todos a ter um novo olhar sobre a cidade.
Nesta segunda edição, o Muro leva a arte urbana até Marvila. São 4 000 m2 de área de intervenção de 17 artistas de sete países, visitas guiadas, concertos, debates, exposições de fotografia e animação de rua.

SELECÇÃO 
Sábado, 27 de Maio 
10h00 - Visita Guiada - Arte Urbana 
12h00 - Visita Guiada - Arte Urbana 
15h00 - Visita Guiada - Arte Urbana 
18h00 - Concerto na Empena - DJ Riot
A GREATER WALL
Muro 

16.5.17

DJ Set
TIM SWEENEY 
Making a mess on the radio since 1999 
Quinta, 25 de Maio às 22h00 no Rive-Rouge


O DJ norte-americano disco/house/techno/punk/funk Tim Sweeney é o realizador do programa ‘Beats in Space’ (WNYU Radio e SoundCloud), desde 1999 um dos mais respeitados do underground global, e autor de remisturas e warm-up DJ para a DFA Records.
Tim Sweeney continua a acompanhar a cena de Nova Iorque, introduzindo ao mundo algumas das suas lendas da última década. Entretanto, fundou a editora Beats In Space Records, onde exercita a sua intuição musical para edições que ajudam a pôr no mapa novos talentos, onde editou o álbum ‘Beats in Space 15th Anniversary Mix by Tim Sweeney’ (2014 BIS Records). Depois da actuação no festival SBSR Meco 2011 e Green Ray Lux Curated by Dixon 2013, a estreia no bar/disco do Mercado da Ribeira.
“Espírito de missão e compromisso e instinto matador para o DJing.” 
Rive-Rouge
“Make people excited about the music that excites him.” 
Resident Advisor
BOILER ROOM NEW YORK x BEATS IN SPACE 15TH ANNIVERSARY
Tim Sweeney 

14.5.17

Festival - Prémio de Cinema
INDIELISBOA 
‘Viejo Calavera’, de Kiro Russo, vence Grande Prémio de Longa-Metragem
14º Festival Internacional de Cinema Independente 


O filme ‘Viejo Calavera’, do realizador boliviano Kiro Russo, acaba de conquistar o Grande Prémio de Longa-Metragem, distinção para melhor filme na competição internacional do IndieLisboa. O documentário de ficção conta a história do orfão Elder, que vai viver com a avó e cujo padrinho lhe arranja um emprego numa mina, mas que prefere vaguear embriagado. A concurso estavam 12 filmes de nove países, primeiras, segundas ou terceiras obras dos autores.
O IndieLisboa tem como objectivo contribuir para a descoberta e revelação em Portugal de novos filmes e novos cineastas, dentro do universo do cinema independente. O festival dá especial atenção a obras e cinematografias com menor visibilidade no mercado de distribuição comercial. O festival tem direcção de Nuno Sena e Miguel Valverde.
‘Viejo Calavera’ volta a ser exibido na quarta, 17 de Maio, às 22h15, no Midas Cinema Ideal.   

INDIELISBOA 2017 - COMPETIÇÃO INTERNACIONAL  
Grande Prémio de Longa-Metragem  
‘Viejo Calavera’ (2016 Bolívia 80’), de Kiro Russo, com Narciso Choquecallata e Anastasia Daza López. 
Prémio Especial do Júri  
‘Arábia’ (2017 Brasil 98'), de Affonso Uchoa e João Dumans, com Aristides de Sousa e Murilo Caliari.
‘VIEJO CALAVERA’
 Kiro Russo 

12.5.17

Livro - Romance
‘NÃO DIGAM QUE NÃO TEMOS NADA’ 
Madeleine Thien 
(2017 Relógio d´Água) 


No Canadá dos anos 1990, a jovem Marie e a sua mãe convidam para sua casa Ai-Ming, uma mulher fugida da China, na sequência dos protestos na Praça Tiananmen. Ai-Ming conta a história da sua família durante a Revolução Cultural Chinesa, desde as casas de chá lotadas no ínicio da ascenção do presidente Mao, nos anos 1950, ao conservatório de Shangai nos anos 1960 e aos eventos que levaram às manifestações de 1989.
Um romance de 432 páginas da escritora canadiana de ascêndencia chinesa Madeleine Thien, de 43 anos, autora de ‘Vidas Interrompidas’ (2007 Difel).
Booker Prize - Fiction Shortlist 2016
“A powerful novel. This is a moving and extraordinary evocation of the 20th-century tragedy of China, and deserves to cement Madeleine Thien’s reputation as an important and compelling writer.” 
The Guardian
“Powerfully expansive. Madeleine Thien writes with the mastery of a conductor who is as in command of the symphony's tempo as she is attuned to the nuances of each individual instrument.”
The New York Times
‘DO NOT SAY WE HAVE NOTHING’
Madeleine Thien 

10.5.17

Música - Álbum
‘COMPASSION’ 
Forest Swords 
(2017 Ninja Tune) 


Projecto electronic/dubstep do músico, compositor, produtor e designer gráfico inglês Matthew Barnes, Forest Swords estreou-se com o aclamado EP ‘Dagger Paths’ (2010 OESBEE), a que se seguiu o excepcional álbum ‘Engravings’ (2013 Tri Angle).
Forest Swords regressa agora com o novo álbum ‘Compassion’, uma exploração entre o êxtase e a frustração, o artificial e o humano, o passado e o futuro. O resultado é um conjunto de 10 faixas que tecem texturas digitais, zumbidos, gravações de campo, batidas de ruídos e saxofone de jazz distorcido com arranjos orquestrados efervescentes. Electronic/trip hop/dub seguro e deslumbrante.
Quinta, 30 de Novembro, Forest Swords ao vivo na ZDB Galeria Zé dos Bois. 
“It is poignant and ragged with suffering, but it doesn't dwell there. It is also bright, optimistic and euphoric.” 
Resident Advisor
‘THE HIGHEST FLOOD’
 Forest Swords



‘ARMS OUT’
Forest Swords 

8.5.17

Feira - Arte Contemporânea
ARCO LISBOA  
Lisboa, Capital da Arte Contemporânea 
De 18 a 21 de Maio na Cordoaria Nacional
(IFEMA)  


A prestigiada feira de arte contemporânea ARCO tem lugar em Lisboa, na sua segunda edição fora de Espanha. A ARCO Lisboa conta com a participação de 58 galerias de 13 países, que apresentam artistas que estabelecem um diálogo com o espaço criativo português. Coleccionadores, profissionais da arte e público em geral podem centrar as atenções em torno do período que começa no século XX e vai até ao presente imediato. As obras seleccionadas abarcam as vanguardas históricas, os clássicos contemporâneos e a arte actual.
No programa destaque para Artista Destacado, pelas 50 galerias seleccionadas, Opening, artistas de oito jovens galerias, Fórum, que promove as Master Talks, e As Tables are Shelves, espaço de revistas e publicações de arte contemporânea.
Entrada por 15 euros.
LISBOA, CAPITAL DA ARTE CONTEMPORÂNEA
ARCO Lisboa 

6.5.17

Filme - Estreia a 18 de Maio no Medeia Monumental e Midas Cinema Ideal
‘I AM NOT YOUR NEGRO - EU NÃO SOU O TEU NEGRO’ 
de Raoul Peck 
com Samuel L. Jackson e James Baldwin
(2016 Velvet Film) 


Em 1979, o escritor e activista afro-americano James Baldwin escreveu ao seu editor dizendo que o seu próximo projecto, ‘Remember This House’, seria um livro revolucionário sobre as vidas e os assassinatos de três dos seus amigos mais próximos: Medgar Evers, Malcolm X e Martin Luther King Jr. Quando morreu, em 1987, deixou apenas 30 páginas do manuscrito.
Um documentário do realizador haitiano Raoul Peck, de 64 anos, autor de ‘Lumumba’ (2000) e ‘Assistence Mortelle’ (2013).
“It is a striking work of storytelling. By assembling the scattered images and historical clips 'I Am Not Your Negro' is a cinematic séance, and one of the best movies about the civil rights era ever made.” 
The Guardian
“Though its principal figure is a man who has been dead for nearly 30 years, you would be hard-pressed to find a movie that speaks to the present moment with greater clarity and force, insisting on uncomfortable truths and drawing stark lessons from the shadows of history.” 
The New York Times
‘I AM NOT YOUR NEGRO’
Raoul Peck 

4.5.17

CD - Álbum
‘DEATH PEAK’ 
Clark 
(2017 Warp)


O músico electronic/techno inglês Chris Clark, actualmente a residir em Berlim, mistura e processa sons orgânicos e gerados por computador, para criar uma sonoridade electrónica tensa, entre a escuridão e a exuberância. Desde 2001 lançou oito álbuns, com destaque para ‘Clark’ (2014 Warp).
Clark regressa agora com o novo álbum ‘Death Peak’, onde regista a influência do techno/drum & bass dos anos 1990, misturada com electrónica etérea e voz humana. Groove hipnótico e eufórico e experimentalismo industrial. Dança cintilante.
“A large part of ‘Death Peak’ - despite the morbid title - contains some of Clark's most accessible and melodic dance floor tracks.” 
Resident Advisor
‘DEATH PEAK - LIVE TRAILER’
Clark 

2.5.17

Filme - Estreia a 11 de Maio no Medeia Monumental
‘MA VIE DE COURGETTE - A MINHA VIDA DE COURGETTE’ 
de Claude Barras 
com Gaspard Schlatter e Sixtine Murat (vozes)
(2016 Rita Productions) 


Após o desaparecimento da sua mãe, Courgette torna-se amigo do polícia Raymond, que o acompanha ao orfanato. No início, tem de lutar para encontrar o seu espaço nesse ambiente estranho e por vezes hostil. Mesmo assim, com a ajuda de Raymond e dos seus novos amigos, Courgette acaba por aprender a confiar e a encontrar um verdadeiro amor.
Uma comédia dramática de animação, primeira longa-metragem do realizador suíço Claude Barras, de 44 anos.
European Film Awards - European Animated Feature Film 2016 
Annecy - Cristal du Long Métrage 2016 
Monstra - Grande Prémio Longas-Metragens 2017
“Claude Barras’s film, with its bigheaded, asymmetrical modeling-clay figures and off-kilter picture-book backdrops, explores a harsh situation with gentle whimsy.” 
The New York Times
“Ma vie de Courgette’ est un film ultra-stylisé mais profondément incarné. C'est aussi une oeuvre d'une certaine modestie, avec une concision, une finesse et une précision impeccables.” 
Les Inrockuptibles
‘MA VIE DE COURGETTE’
Claude Barras 



30.4.17

Música - Álbum
‘NARKOPOP’ 
GAS
(2017 Kompakt)


Projecto do músico e produtor minimal/techno alemão Wolfgang Voigt, co-fundador da editora Kompakt, GAS é inspirado pela floresta e dedicado ao ambient/techno. Desde 1996 foram lançados quatro álbuns, com destaque para o aclamado ‘Pop’ (2000 Mille Plateaux).
GAS regressa agora com o novo álbum ‘Narkopop’ que continua a estética de microhouse subtil e intemporal. Ao longo de 11 temas, numa viagem flutuante e hipnótica, surge o fascínio do looping entrelaçado com os contrastes entre a harmonia e o serial, o concreto e o abstracto. Uma sonoridade clássica, rigorosa e profunda compõe um álbum refinado.
"Austere, saturated electronic polyphony. Ambient is an even more subjective genre than most, so depending on your internal state. Immersive, to say the least."
The Guardian
‘NARKOPOP’ (TRAILER)
GAS 

26.4.17

Filme - Estreia a 04 de Maio no UCI Cinemas El Corte Inglés
‘GET OUT - FOGE’ 
de Jordan Peele 
com Daniel Kaluuya e Allison Williams
(2017 Blumhouse Productions) 


Rose decide passar o fim-de-semana com o namorado afro-americano Chris em casa dos pais, para o apresentar à família. Chris vê o comportamento excessivamente condescendente da família como tentativa nervosa de lidar com o relacionamento inter-racial da filha, até fazer uma série de descobertas perturbadoras.
Um filme de terror, estreia na realização, do actor norte-americano Jordan Peele, de 38 anos.
“Part of what makes 'Get Out' both exciting and genuinely unsettling is how real life keeps asserting itself, scene after scene.” 
The New York Times
“'Get Out' is very creepy, very funny and as pitiless as a surgeon’s scalpel.” 
The Guardian

‘GET OUT’
Jordan Peele 

24.4.17

Teatro - Encenação
‘O CINEMA’ 
de Annie Baker 
De 03 de Maio a 03 de Junho no Teatro da Politécnica
(2017 Artistas Unidos) 


Num cinema esquecido de província, três empregados mal pagos varrem pipocas nos corredores vazios e cuidam de um dos últimos projectores de 35mm. Às vezes há pessoas que ficam sentadas até ao fim do genérico. Mas depois vão-se embora.
‘O Cinema’ é uma peça de um realismo melancólico da dramaturga norte-americana Annie Baker, de 35 anos, com encenação de Pedro Carraca e representações de António Simão, Bruno Huca, Rita Cabaço e Pedro Gabriel Marques, numa produção dos Artistas Unidos, de Jorge Silva Melo.
Obie Awards - Playwriting 2013
Pulitzer Prize - Drama 2014
“Um tributo ao poder do cinema e um doloroso retrato de três pessoas no trabalho. Nós, os espectadores, somos o ecrã onde é projectado o filme. A luz do projector irradia por sobre as nossas cabeças.” 
Artistas Unidos
Bilhetes por 6 euros às terças às 19h00 (Dia do Espectador). Exposição de pintura 'Agora' de Sérgio Pombo.
‘THE FLICK - O CINEMA’
Annie Baker 
 Artistas Unidos no Teatro da Politécnica 

22.4.17

Música - Álbum
‘AZD’ 
Actress 
(2017 Ninja Tune) 


Actress é o projecto do DJ e produtor londrino Darren ‘Daz’ Cunningham, fundador da editora Werk Discs, que se estreou em 2008 e já editou os essenciais ‘Splazsh’ (2010 Honest Jon’s) e ‘R.I.P.’ (2012 Honest Jon’s) explorando o universo house/techno e dubstep/r&b a que acrescenta o funk/electro/jack.
Actress regressa agora com o novo álbum ‘AZD’ (lê-se azid), uma viagem a um mundo paralelo metálico e brilhante. Techno/minimal/abstract distinto e visionário, com recurso ao ambient, electro e até cordas. Uma triunfante intriga melódica, riqueza textural e repetição hipnótica.
“Darren Cunningham can once again produce mirage-like moments of beauty like nobody else.” 
Resident Advisor
“One of electronic music’s most admired producers comes with a lot of high-concept baggage, but the music speaks for itself.” 
The Guardian
‘X22RME’
Actress 

20.4.17

Cinema - Festival
INDIELISBOA 
14º Festival Internacional de Cinema Independente
De 03 a 14 de Maio no Cinema São Jorge, Culturgest, Cinema Ideal, Cinemateca Portuguesa e Cineteatro Capitólio


O IndieLisboa tem como objectivo contribuir para a descoberta e revelação em Portugal de novos filmes e novos cineastas, dentro do universo do cinema independente. O festival dá especial atenção a obras e cinematografias com menor visibilidade no mercado de distribuição comercial. A 14ª edição vai mostrar oito dezenas de longas-metragens, entre elas estreias mundiais. O festival tem direcção de Nuno Sena e Miguel Valverde.
O IndieLisboa compreende as secções Competição Internacional (12 longas-metragens inéditas em Portugal), Competição Nacional, Silvestre (obras rebeldes), Boca do Inferno (filmes desafiantes), Herói Independente (realizador francês Paul Vecchiali e realizador/artista multidisciplinar norte-americano Jem Cohen) e IndieMusic.
Bilhetes à venda na Culturgest por 4 euros. Aplicação ‘IndieLisboa’ na Apple App Store.  

SELECÇÃO   
Quinta, 04 às 21h00 no Cinema Ideal 
‘Prevenge’ (2016 Reino Unido 88’), de Alice Lowe, com Gemma Whelan e Kate Dickie. 
Uma grávida, que obedece aos desejos psicóticos do feto, vinga os responsáveis pela morte do marido. 
Sábado, 06 às 21h00 no Cinema Ideal 
‘Home’ (2016 Bélgica 103’), de Fien Troch, com Jeroen Perceval e Kevin Janssens. 
O jovem Kevin sai do centro de correcção para casa dos tios onde conhece outros adolescentes problemáticos. 
Quinta, 11 às 21h45 no Cinema São Jorge 
‘Raw’ (2016 França 98’), de Julia Ducournau, com Garance Marillier e Ella Rumpf. 
A praxe na escola de veterinária leva a vegetariana Justine a uma espiral destruidora até ao canibalismo. 
Sábado, 13 às 21h00 na Culturgest 
‘Mister Universo’ (2016 Itália/Áustria 90’), de Tizza Covi e Rainer Frimmel, com Tairo Caroli e Wendy Weber. 
O domador de feras Tairo tem leões velhos, cansados e com cio e ainda por cima perde o seu amuleto de sorte. 
Domingo, 14 às 17h30 no Cinema São Jorge 
‘Scarred Hearts - Inimi Cicatrizate’ (2016 Roménia 141’), de Radu Jude, com Serban Pavlu e Gabriel Spahiu. 
Num sanatório do Mar Negro, Emanuel, que sofre de tuberculose, vive uma história de amor com outro paciente.
Quarta, 17 de Maio às 22h15 no Cinema Ideal
Filme Premiado Grande Prémio para Melhor Longa-Metragem
Competição Internacional
FILMES QUE REALMENTE VAIS QUERER VER
IndieLisboa 2017

18.4.17

DJ Set
DJ HARVEY 
Music, Love and Dancing 
Sábado, 29 de Abril no Lux


A carreira do inglês Harvey Bassett começou no final da década de 1970, como baterista punk, interessando-se depois pela cena hip-hop nova-iorquina. Já na década de 1980 integra o colectivo Tonka Hi-Fi como DJ eclético. Na década de 1990, DJ Harvey foi o responsável pelas ‘Moist’, noites míticas no Gardening Club de Londres, e inaugurou as compilações ‘Late Night Sessions’, da Ministry Of Sound, club londrino onde foi DJ residente.
Mais recentemente, DJ Harvey, lançou o álbum electronic/psychedelic/rock ‘Map Of Africa’ (2007 Whatever We Want Records), juntamente com Thomas Bullock (da dupla Rub N Tug), e o álbum house/disco ‘Locussolus’ (2011 International Feel Recordings). DJ Harvey de regresso à cabine do Lux que inaugurou em 1998.
“DJ Harvey é um mito. Pode tocar tudo e toca o que quer. O seu padrão de coolness é irrefutável. Merece respeito e admiração.” 
Isilda Sanches (Antena 3)
“DJ Harvey está no panteão das pessoas que, no melhor sentido, nos dirigem e inspiram.” 
José Moura (Flur Discos)
Entradas à venda na bilheteira do Lux a partir das 23h00 da noite do evento.
BOILER ROOM MILAN 2015
DJ Harvey 

16.4.17

Exposição - Fotojornalismo
WORLD PRESS PHOTO 17 
Exhibition Global Tour 
De 28 de Abril a 21 de Maio no Museu Nacional de Etnologia
(‘Visão’ / SIC Notícias) 


Ano após ano, a World Press Photo convida fotojornalistas de todo o mundo a participar na mais importante competição internacional de fotografia de imprensa. Nesta 60ª edição foram atribuídos prémios em oito categorias, a 45 fotógrafos de 25 nacionalidades. A imagem intitulada ‘An Assassination in Turkey’, captada pelo fotógrafo turco Burhan Ozbilici, eleita World Press Photo of the Year, é agora exposta juntamente com outras 200 imagens premiadas no Museu Nacional de Etnologia.
A World Press Photo é uma organização independente fundada em 1955, com sede em Amesterdão (Holanda), que promove o mais prestigiado concurso internacional de fotojornalismo. As fotografias anualmente premiadas são depois expostas em mais de 40 países e publicadas no álbum ‘World Press Photo Yearbook’ (Thames & Hudson).
Bilhete de entrada por 3 euros.
EXHIBITION OF AWARD-WINNING PHOTOS
World Press Photo 17 

12.4.17

Livro - Romance
‘CANÇÃO DOCE’
Leila Slimani 
(2017 Alfaguara) 


Miriam, mãe de duas crianças pequenas, decide apesar da relutância do marido, retomar o trabalho num escritório de advocacia. O casal começa a procurar uma ama e acaba por escolher Louise, que rapidamente conquista as crianças e, gradualmente ocupa um lugar central na casa. Aos poucos, a armadilha da dependência mútua vai chegar à tragédia.
Um romance, de 216 páginas, da autoria da jornalista e escritora franco-marroquina Leila Slimani, de 35 anos, inédita em Portugal.
Prix Goncourt - Roman 2016
“Leïla Slimani redonne toute leur puissance d’inquiétude aux relations de domesticité. Dcortique avec subtilité l’ambiguïté des sentiments, ce cocktail explosif de haine, d’envie et d’affection.” 
Le Monde
“La virtuosité tient autant à l’écriture, d’une puissance froide, contenue, nerveuse, qu’à la construction, tirée au cordeau, filant droit au but.”
Lire

’CHANSON DOUCE’
Leila Slimani 

10.4.17

Música - Álbum
‘ARCA’ 
 Arca 
(2017 XL Recordings) 


O produtor e DJ electronic/experimental venezuelano Alejandro Ghersi, radicado em Londres, é o nome por trás do projecto Arca que se estreou com o introspectivo álbum ‘Xen’ (2014 Mute), a que se sucedeu o mais luminoso e sensual ‘Mutant’ (2015 Mute).
Arca regressa agora com o novo álbum ‘Arca’, onde apresenta um som distorcido, dissonante e vertiginoso e recorre, pela primeira vez, à sua voz. O ruído industrial e o tom operático e folclórico conjuga-se num caos sónico. Um conjunto de temas electronic/noise pop muito teatral e vanguardista. Cativante.
“The clarity of Alejandro Ghersi's vision allows him to dip into avant garde expressions without breaking the album's stride.” 
Resident Advisor
“Ecclesiastical grandeur meets bleeding-edge dissonance.” 
The Guardian
‘REVERIE’
 Arca 



‘ANOCHE’
 Arca

8.4.17

Filme - Estreia a 20 de Abril no Cinema City Alvalade
‘PLEMYA - A TRIBO’ 
de Myroslav Slaboshpytskiy 
com Hryhoriy Fesenko e Yana Novikova
(2014 Garmata Film Production) 


Sergey, um novo estudante no internato de surdos, tem de provar que é digno de estar sob a protecção do líder do gangue da escola, para sobreviver ileso. Assume o seu papel nas actividades de roubo, suborno e prostituição, até se apaixonar por uma colega.
‘Plemya - A Tribo’ é protagonizado por jovens surdos, sem narração ou legendas. Um drama, estreia nas longas-metragens, do realizador ucraniano Myroslav Slaboshpytskiy, de 43 anos.
“'Plemya' deploys an elaborate, rigorously executed conceit in support of a weary, dreary hypothesis: People are awful. That might well be true, but there’s no need to shout.” 
The New York Times
“Deaf-school drama is shocking, violent and unique. I can't stop thinking about it. 'Plemya' has its own rhythm, style and language. Create a universal language of anxiety. What an intriguing film.” The Guardian
“Hypnotique et dérangeant, 'Plemya' est universel. Et provocateur.” 
Le Monde
‘PLEMYA’
Myroslav Slaboshpytskiy

6.4.17

Filme - Estreia a 20 de Abril no Medeia Monumental
‘MA LOUTE’
de Bruno Dumont 
com Fabrice Luchini e Juliette Binoche
(2016 3B Productions) 


Verão de 1910. Na pequena cidade de Slack Bay, norte de França, a família burguesa degenerada Van Peteghem, leva uma vida burguesa na sua mansão de férias sobre a baía. O desaparecimento de pessoas nas praias do Canal da Mancha atrai a atenção de dois inspectores.
Uma comédia do realizador francês Bruno Dumont, de 59 anos, autor de ‘Twentynine Palms’ (2003), ‘Flandres’ (2006), ‘Hadewijch’ (2009), ‘Hors Satan - Fora, Satanás’ (2011), ‘Camille Claudel 1915‘ (2013) e ‘P´tit Quinquin - O Pequeno Quinquin’ (2014).
“´Ma Loute´ is a fascinatingly made film, theatrically extravagant and precise, although perhaps a little over-extended.” 
The Guardian
"´Ma Loute´ ne cherche même plus vraiment la sidération: il témoigne avant tout de la monstrueuse faculté d’absorption d’une œuvre dont la propension à la démesure semble aujourd’hui sans limites.”
Cahiers du Cinéma
‘MA LOUTE’
Bruno Dumont

2.4.17

Cinema - Ciclo
KENJI MIZOGUCHI 
Nove obras clássicas e inéditas do maior cineasta japonês de sempre 
De 13 de Abril a 10 de Maio no Medeia Espaço Nimas
(Leopardo Filmes) 


São nove as obras raras, que são também uma impressionante sucessão de obras-primas, de Kenji Mizoguchi, um dos maiores nomes do cinema japonês, que podem ser descobertas no grande ecrã, na sala de cinema, em cópias restauradas.
Nome fundamental da história do cinema, Kenji Mizoguchi (1898-1956) é autor de uma filmografia vasta e única. O cineasta iniciou a sua carreira como actor, sendo depois assistente de realização e realizador. Os seus filmes da década de 1930 são considerados retratos essenciais de um Japão em transição do feudalismo para a modernidade e pelo feminismo. Caracterizou-se pela cinematografia de um plano por cena, perfeição dos planos longos, encenação pictórica e rara utilização do ‘close up’. Após a Segunda Guerra Mundial, a sua obra foi redescoberta no Ocidente pela crítica de cinema francesa.
“Le plus grand des cinéastes japonais. Ou tout simplement, l'un des plus grands réalisateurs. L'art de Kenji Mizoguchl est le plus complexe parce qu'il est le plus simple.” 
Jean-Luc Godard

SELECÇÃO 
Sábado, 15 e domingo, 16 de Abril às 15h30, 17h30 e 21h30 
Sexta, 21 e sábado, 22 de Abril às 15h30, 17h30 e 21h30 
Quinta, 27 e sexta, 28 de Abril às 15h30, 17h30 e 21h30 
‘Ugetsu Monogatari - Contos da Lua Vaga’ (1953), de Kenji Mizoguchi, com Masayuki Mori e Machiko Kyô. 
Japão no século XVI em guerra civil. Dois aldeãos partem para a cidade. O oleiro Kenjuro apaixona-se pela princesa Wakasa e vai para a sua mansão. O agricultor Tobei abandona a sua mulher e procura tornar-se num samurai.
Sight & Sound - The 50 Greatest Films of All Time 
Cahiers du Cinéma - 100 Films pour une Cinémathèque Idéale
‘UGETSU MONOGATARI’
Kenji Mizoguchi 

28.3.17

DJ Set
DIXON 
Innervisions
Sábado, 08 de Abril no Lux


O DJ e produtor deep house alemão Steffen Berkhahn, sob o nome Dixon, foi o criador das noites ‘Innercity’ no club Weekend (Berlim), que o levaram a fundar a editora Innervisions. É autor de numerosas remixes e DJ mix álbuns, com destaque para ‘LARJ Dixon Volume 8’ (2011 Live At Robert Johnson).
Dixon extrai o feeling e o groove do house e techno mais vitais do presente e do passado, acrescidos de uma visão instintiva e personalizada do que está para vir e dos sons à margem que influenciaram ambos, tornando cada set um momento marcante. Um som cinematográfico inconfundível.
Resident Advisor - Top DJs of 2016 
“Dixon é um fascinador que continua a ter-nos cativos sob as suas sugestões, impelidos a sonhar bem alto. Espaço aos discos estranhos, aos ritmos que respiram detalhe, às melodias de encantar e, também, à dureza que se exige nas alturas certas.” 
Lux
Entradas à venda na bilheteira do Lux a partir das 23h00 da noite do evento. 
BOILER ROOM BARCELONA 2015
Dixon 

26.3.17

Festival - Cinema de Animação
MONSTRA
Festival de Animação de Lisboa 
‘Ma Vie de Courgette’, de Claude Barras, vence Grande Prémio Longas-Metragens 2017


O filme de animação ‘Ma Vie de Courgette - A Minha Vida de Courgette’, do realizador suíço Claude Barras, acaba de vencer o Grande Prémio Longas-Metragens, prémio para melhor filme em competição no Monstra - Festival de Animação de Lisboa 2017. O filme conta a história a história de um rapaz que, depois da morte súbita da sua mãe, se torna amigo de um polícia, que o acompanha para a sua nova casa adoptiva, cheia de outros meninos órfãos.
A Monstra - Festival de Animação de Lisboa, realizou-se no Cinema São Jorge entre 16 e 26 de Março, apresentando o que de melhor se realiza no mundo do cinema de animação. A Monstra realizou a sua Competição Oficial com seis longas-metragens de animação, oriundas de cinco países, a concurso. Na sua 16ª edição, o festival é uma iniciativa da Praxis com a direcção artística de Fernando Garito.
‘Ma Vie de Courgette - A Minha Vida de Courgette’ volta a ser exibido no domingo, 26 de Março às 20h00 no Cinema São Jorge.
‘MA VIE DE COURGETTE’
Claude Barras 
Monstra - Grande Prémio Longas-Metragens 2017 

22.3.17

Cinema - Mostra
10.ª FESTA DO CINEMA ITALIANO
5 Cidades em Festa!
De 05 a 13 de Abril no Cinema São Jorge e UCI Cinemas El Corte Inglês
(Il Sorpasso)   


A 8 ½ Festa do Cinema Italiano apresenta um olhar sobre a recente produção cinematográfica italiana. Na secção Napolitana, é feita uma viagem através do cinema, literatura, música e gastronomia de uma das cidades mais icónicas da Itália, Nápoles. É comemorada a Commedia all’Italiana e um dos seus fundadores, o realizador Dino Risi.
Com direcção artística de Stefano Savio, esta edição da Festa do Cinema Italiano apresenta 50 filmes, entre entre curtas e longas-metragens (algumas em antestreia), de ficção, documentário e animação. A 10.ª Festa do Cinema Italiano inclui uma Secção Competitiva com um júri que premiará o Melhor Filme do novo cinema italiano, entre seis filmes de novos autores em competição.
Bilhetes à venda no Cinema São Jorge por 4 euros. 

SELECÇÃO 
Sábado, 08 de Abril às 21h30 no Cinema São Jorge
‘Perfetti Sconosciuti - Amigos, Amigos, Telemóveis à Parte’ (2016), de Paolo Genovese, com Giuseppe Battiston e Anna Foglietta. 
Um grupo de amigos decide, durante um jantar, colocar os telemóveis sobre a mesa para provar que nada têm a esconder. 
Domingo, 09 de Abril às 19h30 no Cinema São Jorge
‘La Stoffa dei Sogni’ (2016), de Gianfranco Cabiddu, com Renato Carpentieri e Jacopo Cullin. 
Uma modesta companhia de teatro naufraga junto à costa de uma ilha-prisão no meio do Mediterrâneo.
5 CIDADES EM FESTA!
10.ª Festa do Cinema Italiano 

20.3.17

Música - Álbum
‘KELLY LEE OWENS’ 
Kelly Lee Owens 
(2017 Smalltown Supersound) 


Ex-enfermeira, empregada numa loja de discos, compositora, cantora e produtora minimal/tech house/experimental, a galesa Kelly Lee Owens, a residir em Londres, começou por editar EPs e estreia-se agora com o álbum ‘Kelly Lee Owens’, com uma sonoridade techno/pop/experimental muito pessoal.
O álbum de estreia de Kelly Lee Owens explora uma variedade de estados de espírito com claridade e confiança, através de camadas atmosféricas de sons que misturam minimal techno com dream pop, krautrock e ambient drone. Um trabalho multifacetado e sedutor de música electrónica para dançar e meditar. Emocionante.
“Kelly Lee Owens is an exciting new artist. Her voice is lovely. Her songwriting is accessible. Her arrangements feel smooth, and she moves with ease between styles. The only drawback to Kelly Lee Owens is an occasional tweeness that can come with such sweet, weightless music.” 
Resident Advisor
‘ANXI’
Kelly Lee Owens 

18.3.17

Filme - Estreia a 30 de Março
‘AH-GA-SSI - A CRIADA’ 
de Park Chan-wook 
com Min-hee Kim e Jung-woo Ha
(2016 Moho Film) 


Coreia do Sul, anos 1930. Durante a ocupação japonesa, a jovem Sookee é contratada para trabalhar para uma herdeira japonesa que leva uma vida isolada ao lado do tio autoritário. Sookee planeia desposar a herdeira, roubar a sua fortuna e interná-la num sanatório, até que começa a compreender as motivações da herdeira.
Um drama de suspense do realizador sul-coreano Park Chan-wook, de 54 anos, autor de ’Oldeuboi - Velho Amigo’ (2003), ’Chinjeolhan Geumjassi - Vingança Planeada’ (2005) e ‘Bakjwi - Este é o Meu Sangue’ (2009).
“A rebus, a romance, a gothic thriller and a woozy comedy, ‘Ah-ga-ssi’ is finally and most significantly a liberation story.” 
The New York Times
“Un tintement très évocateur, résumant à lui seul le délicat équilibre de somptueuse cérémonie et de trivialité goguenarde qui caractérise l’ensemble.” 
Le Monde
Quinta, 06 de Abril, DVD ‘Ah-ga-ssi - A Criada’ com o 'Público' por mais 6,95 euros.
‘AH-GA-SSI’
Park Chan-wook 

8.3.17

Festival - Cinema de Animação
MONSTRA 
16º Festival de Animação de Lisboa 
De 16 a 26 de Março no Cinema São Jorge, Cinema City Alvalade e Cinema Ideal


A Monstra - Festival de Animação de Lisboa apresenta o que de melhor se realiza no mundo do cinema de animação. Esta décima sexta edição decorre sob o signo do olhar.
Destaque para a secção Homenagem, dedicada à obra dos grandes mestres da animação italiana, e para a Competição Longas, com as melhores e mais recentes longas-metragens de animação produzidas em todo o mundo, que apresenta seis filmes a concurso oriundos de seis países. O festival é uma iniciativa da Praxis com a direcção artística de Fernando Galrito.
Bilhetes à venda no Cinema São Jorge por 4 euros. 

SELECÇÃO 
Sábado, 18 
20h00 Cinema São Jorge - ‘La Tortue Rouge’ (2016 Holanda 80’) de Michael Dudok de Wit 
Um homem naufragado numa ilha tropical habitada por tartarugas, caranguejos e pássaros. 
Domingo, 26 
20h00 Cinema São Jorge - Premiados - Longas 
‘LA TORTUE ROUGE’
Michael Dudok de Wit 



6.3.17

Filme - Estreia a 16 de Março no Medeia Monumental e Midas Cinema Ideal
‘AQUARIUS’ 
de Kleber Mendonça Filho 
com Sonia Braga e Maeve Jinkings
(2016 CinemaScópio) 


Clara, uma viúva de 65 anos, crítica de música reformada, é a última residente do Aquarius, um edifício dos anos 1940, junto ao mar no Recife, no Brasil. Todos os apartamentos vizinhos já foram adquiridos por uma empresa para construir um novo empreendimento. Clara jura que não sairá dali e entra em confronto com a construtora.
Um drama do realizador brasileiro Kleber Mendonça Filho, de 49 anos, autor de ‘O Som ao Redor’ (2012).
“It's a richly detailed character study, immersing the audience in the life and mind of its imperious main character.” 
The Guardian
“A marvelous and surprising act of portraiture, a long, unhurried encounter with a single, complicated person. And that is enough to make it a captivating film, an experience well worth seeking out.” 
The New York Times
“Ce matérialisme hanté est peut-être la plus belle piste de 'Aquarius', en ce qu’elle permet de faire cohabiter la précision de l’ethnologue avec la spiritualité du mage.” 
Cahiers du Cinéma
‘AQUARIUS’
Kleber Mendonça Filho

4.3.17

Cinema - Prémios
FANTASPORTO 2017 
37º Festival Internacional de Cinema do Porto 
‘ReAlive - Proyecto Lázaro’, de Mateo Gil, vence Grande Prémio Melhor Filme


O filme ‘ReAlive - Proyecto Lázaro’ do realizador espanhol Mateo Gil, acaba de conquistar o Grande Prémio Melhor Filme no Fantasporto 2017. A longa-metragem de ficção científica conta a história de um homem diagnosticado com uma doença a quem é dado um ano para viver, levando a que decida congelar o seu corpo durante 60 anos, quando já há uma solução para a doença que o afecta.
Promovida pela Cinema Novo, a 37ª edição do Fantasporto - Festival Internacional de Cinema do Porto, sob direcção de Mário Dorminsky, decorreu de 24 de Fevereiro a 04 de Março, no Rivoli Teatro Municipal. O festival teve a secção oficial competitiva Cinema Fantástico com 21 longas-metragens de 16 países a concurso, sob a temática do imaginário, fantástico e ficção científica, e dedicou uma homenagem ao realizador holandês Ate de Jong e retrospectivas ao Cinema de Acção de Taiwan e Terror Argentino.

PALMARÉS   
Grande Prémio Melhor Filme   
'ReAlive - Proyecto Lázaro' (2016 Espanha), de Mateo Gil, com Tom Hughes e Charlotte Le Bon.
Prémio Especial do Júri    
‘Saving Sally’ (2016 Filipinas), de Avid Liongoren, com Rhian Ramos e Enzo Marcos.
‘REALIVE - PROYECTO LÁZARO’
Mateo Gil
Fantasporto - Grande Prémio Melhor Filme 2017



28.2.17

Festival - Música Electrónica
LISBOA DANCE FESTIVAL
Music. Talks. Market  
Sexta, 10 e sábado, 11 de Março, das 19h00 às 04h00, na LXFactory
(Live Experiences) 


Segunda edição do novo formato de evento com uma programação virada para as tendências mundiais da música electrónica. O Lisboa Dance Festival apresenta concertos, DJ sets e showcases de electrónica. Mais do que um evento de um só género musical, abre portas para uma visão 360 sobre toda a música electrónica.
O Lisboa Dance Festival abre ainda espaço a uma programação de debates, conferências e masterclasses e a um espaço para o mercado onde estarão presentes marcas que oferecem as ferramentas com que se faz a música que faz dançar.
Bilhetes à venda nas lojas Fnac por 45 euros (passe 2 dias) e 30 euros (diário). 

SELECÇÃO 
Sexta, 10 
23h55 às 01h55 - Dekmantel Soundsystem 
Dupla holandesa disco/house/techno de Thomas Martojo e Casper Tielrooij, fundadora da editora e produtora de festivais Dekmantel. 
Sábado, 11 
22h30 às 23h45 - Hercules & Love Affair 
Colectivo electro/disco/house do norte-americano Andy Butler, autor dos álbuns ‘Hercules and Love Affair’ (2008 DFA Records) e ‘The Feast of The Broken Heart’ (2010 Moshi Moshi). 
23h55 às 01h55 - Hunee 
Produtor e DJ sul-coreano house/disco/afro/techno autor do álbum ‘Hunch Music’ (2015 Rush Hour).
MUSIC. TALKS. MARKET
Lisboa Dance Festival

26.2.17

Filme - Estreia a 09 de Março no Medeia Monumental
‘SÃO JORGE’ 
de Marco Martins 
com Nuno Lopes e Mariana Nunes
(2016 Filmes do Tejo) 


Portugal, 2011. Durante os anos da ‘Troika’, Jorge é um lutador de boxe desempregado, à beira de perder o seu filho e a sua mulher, quando esta decide regressar ao Brasil. Como meio de pagar as suas próprias dívidas e convencer a mulher a permanecer em Portugal, Jorge aceita trabalhar para uma agência de cobrança de dívidas.
Um drama do realizador português Marco Martins, de 45 anos, autor de ‘Alice’ (2005).
“O espectador vai levar uma surra emocional como não está à espera. Portugal no tempo da crise e da intervenção da ‘Troika’ como documento histórico. Mas ‘São Jorge’, mesmo nas suas experiências de docuficção, tem sempre um fulgor de cinema puro de ficção.” 
Diário de Notícias
‘SÃO JORGE’
Marco Martins

24.2.17

Filme - Estreia a 09 de Março no Medeia Monumental
‘NERUDA’ 
de Pablo Larraín 
com Gael García Bernal e Luis Gnecco
(2016 AZ Films) 


Quando a Guerra Fria chega ao Chile, Pablo Neruda, ex-senador comunista e escritor Nobel da Literatura, começa a ser perseguido pelo governo de Gabriel Videla, que decretou em 1948 a Lei Maldita contra os militantes comunistas. O inspector Óscar Peluchonneau é designado para prender o poeta e a sua esposa, a pintora argentina Delia del Carril.
Um drama biográfico do realizador chileno Pablo Larraín, de 38 anos, autor de ‘Tony Manero’ (2008), ‘Post Mortem’ (2010), ‘No - Não’ (2012) e ‘El Club - O Clube’ (2015).
“'Neruda' takes a lot of wild chances and it's unwilling to play by the rules. Dizzily constructed and full of more life and meaning than most 'real' biopics, it's a risk worth taking.” 
The Guardian
“Pablo Larraín invites us to believe that history is on the side of the poets and the humanists, and that art will make fools of politicians and policemen. But he is also aware that history sometimes has other plans.” 
The New York Times
“'Neruda' dote le biopic d’une réjouissante approche carnavalesque du genre, où la question de la véracité des faits devient soudainement bien secondaire, devant le plaisir presque enfantin manifesté par la mise en scène.” 
Cahiers du Cinéma
‘NERUDA’
Pablo Larraín

22.2.17

Filme - Estreia a 09 de Março no UCI Cinemas El Corte Inglés
‘THE AUTOPSY OF JANE DOE - A AUTÓPSIA DE JANE DOE’ 
de André Ovredal 
com Emile Hirsch e Brian Cox
(2016 42 Productions) 


Um estranho cadáver sem identificação chega à morgue e a Tommy e Austin, dois médicos legistas que são também pai e filho. Brutalmente assassinada, a jovem Jane Doe está bem preservada. À medida que tentam descobrir a causa de morte, os dois homens vão descobrindo perturbadores segredos da vida de Jane até considerarem que pode não estar morta.
Um filme de terror do realizador norueguês André Ovredal, de 44 anos, autor de ‘Trolljegeren - O Caçador de Trolls’ (2010).
“Gruesome without being gory, ‘The Autopsy of Jane Doe’ achieves real scares with a minimum of special effects.” 
The New York Times
‘THE AUTOPSY OF JANE DOE’
André Ovredal 

20.2.17

Filme - Estreia a 02 de Março no Medeia Monumental
‘PERSONAL SHOPPER’ 
de Olivier Assayas 
com Kristen Stewart e Lars Eidinger
(2016 CG Cinéma) 


A jovem norte-americana Maureen vive em Paris e trabalha como personal shopper para uma celebridade. Maureen tem também a capacidade psíquica de comunicar com espíritos, como o do seu irmão gémeo, Lewis, falecido recentemente. De súbito, começa a receber mensagens de fonte desconhecida.
Um drama de acção do realizador francês Olivier Assayas, de 62 anos, autor de ‘Clean’ (2004), 'Carlos' (2010) e ‘Sils Maria - As Nuvens de Sils Maria’ (2014).
“It is actually Olivier Assayas's best film for a long time, and Kristen Stewart's best performance to date.” 
The Guardian 
“Olivier Assayas explore sa sympathique veine d’exploitation plutôt que sa veine dramatique n’est pas le souci, mais d’un côté comme de l’autre, le décorum étouffe autant l’esprit.” 
Cahiers du Cinéma
‘PERSONAL SHOPPER’
Olivier Assayas 



18.2.17

Festival de Cinema - Prémios
BERLINALE    
67º Internationale Filmfestspiele Berlin
‘A Testrol és Lélekrol’, de Ildikó Enyedi, vence Goldener Bar 2017


O júri internacional da Berlinale - Internationale Filmfestspiele Berlin, presidido pelo realizador holandês Paul Verhoeven, acaba de atribuir o Goldener Bar, prémio para melhor filme em competição, à longa-metragem ‘A Testrol és Lélekrol’, da realizadora húngara Ildikó Enyedi. O filme conta a história de dois discretos colegas de trabalho, Mária e Endre, que ficam surpreendidos por terem os mesmos sonhos à noite e começam a descobrir emoções e desejo físico.
A Berlinale, festival internacional de cinema de Berlim, um dos mais importantes e politizados eventos do cinema a nível mundial e o maior na afluência de público, decorreu na sua 67ª edição no Berlinale Palast, na Alemanha. Para a competição do Goldener Bar foram seleccionadas 21 longas-metragens de 16 países.

PALMARÉS  
Goldener Bar (Melhor Filme)  
‘A Testrol és Lélekrol’ (2017 Hungria), de Ildikó Enyedi, com Géza Morcsányi e Alexandra Borbély.
Silberner Bar (Grande Prémio do Júri)  
‘Félicité’ (2017 Senegal), de Alain Gomis, com Véro Tshanda e Beya Mputu.